novembro 11, 2010

Pai maltrada filho de 2 meses - Pouso Alegre-MG


Andréia entrou em estado de alerta quando viu o bracinho roxo e a clavícula quebrada do seu bebê, de apenas 2 meses de idade.

Desconfiada, ela gravou cenas da agressão com um celular, posto em uma caixa de sapatos. “Quando eu vi aquilo, foi a pior hora da minha vida. Meu celular, velhinho, salvou a vida do meu filho”, disse a mineira de Pouso Alegre, visivelmente emocionada, para Ana Maria, que a recebeu no programa desta terça.

A mãe disse ainda que o bebê demonstrava medo sempre que o pai o olhava.

“Ele estava com a palma da mão roxa. Comecei a chorar. Meu marido ficou bravo”, contou Andréia.

Ana Maria também conversou com a pediatra Lauro Monteiro, que esteve à frente da ONG Abrapia por quase 20 anos, lutando contra a violência doméstica, e hoje mantém um site chamado Observatório da Infância.

Dr. Lauro, que também participou da elaboração do Estatuto da Criança e do Adolescente, alertou para a necessidade de prestar atenção aos sinais que a criança dá. “Isso ocorre dentro de casa, entre quatro paredes, e muitas vezes a mãe não tem condições emocionais para se manifestar”, falou.

Saiba mais Aqui

6Fizeram tchbum

Camille disse...

Que coisa grave Lucy. O importante é se os vizinhos ouvirem denunciarem, medicos desconfiarem, todos ficarem em sinal de alerta. A criança nem sabe que pode reclamar, as vezes pensa que a vida simplesmente é assim. E a mae - ou tb a mulher agredida- muitas vezes entra, como voce mesma expressou de certa forma- em um estado de negaçao da realidade que esta vivendo.
Bjos

Adao Braga disse...

Ele era condenado da justiça. Ele já demonstrava desiquilibrio antes. Ele já tinha passagem pela policia. Havia e há indicios suficientes para detectar e desconfiar de um humano nestas condições.
Agora o inocente e indefeso sofre com a escolha errada.

Já é hora de uma reviravolta cultural, moral, ética e estrutural na sociedade atual. Direito aos pais de opinar e orientar, e até interditar as filhas e filhos de entrarem em barcos furados como este.

Mas, vão sempre argumentar: O coração não aceita ordens quando quer amar... tolice! Coração também não quer sofrer assim!

http://graceolsson.com/blog disse...

Luci, isso é muito triste. A crianca termina, quase sempre, pagando o rpeco pelas escolhas erradas de seus pais.Simples assim,.
bjs e dias felizes

Odele Souza disse...

Concordo totalmente com o comentário de Adão. E esse homem por certo deu alguma mostra de sua má índole e já deveria ter sido afastado do convívio com a mulher e filho. E nós pais, deveriamos sim, ter mais poder de opinar e orientar sobre as escolhas que nossos filhos fazem. Para que depois não sofram nas mãos de um homem mau caráter como esse aí que maltratou um bebê. Que monstro.

Letícia Losekann Coelho disse...

Fiquei chocada, Luci! Que espécie de animal, coloca um filho no mundo para maltratar? Que horror!
A sociedade anda surtada!
Beijos

Le disse...

Tambem vi esse caso! Que horror, nao? Essa pessoa nao pode ser normal.

Postar um comentário